Diário de Winston Smith << Duplipensar.net

Diário de Winston Smith
Winston Smith é o protagonista da obra-prima de George Orwell, 1984. Num mundo em que os todos são vigiados permanentemente através da tecnologia, Winston compra um simples bloco de papel para registrar seus pensamentos


  Diário de Winston Smith, o blog do Duplipensar.net

O presente é o passado
A absoluta reconquista mexicana
George Orwell é o segundo melhor escritor britânic...
Jogador muda de nome para a Copa do Mundo de Rugby...
Corra que a polícia vem aí!
Bebê fica famoso na web antes de nascer
O Grande Irmão Chávez usa a tragédia do Peru para ...
Governo português, CIA, FBI e Vaticano alteram a ...
Decida pelo terceiro mandato de Lula
Curiosidades incovenientes do Pan
O Ministério da Verdade informa os próximos passos...


O passado é o presente
06.2004
07.2004
08.2004
09.2004
10.2004
11.2004
12.2004
01.2005
02.2005
03.2005
04.2005
05.2005
06.2005
07.2005
08.2005
09.2005
10.2005
11.2005
12.2005
01.2006
02.2006
03.2006
04.2006
05.2006
06.2006
07.2006
08.2006
09.2006
10.2006
11.2006
12.2006
01.2007
02.2007
03.2007
04.2007
06.2007
07.2007
08.2007
09.2007
02.2008
04.2008

Página Atual

 



Terra da Liberdade

Durante a Convenção Nacional Republicana, realizada em 31 de agosto deste ano em Nova Iorque, cerca de 1.800 estadunidenses foram presos e levados para um centro de processamento/detenção.

Utilizando uma câmera digital, Jacob Richards e Connie Murillo (integrantes do grupo Indymedia) registraram clandestinamente sua prisão, as condições degradantes em que estiveram todos submetidos e o medo estampado no rosto de seus compatriotas. Todos presos sem nenhuma base legal e sem julgamento algum.

Curiosamente, nenhuma nota ou comentário sobre este fato desconcertante foi noticiado pela grande imprensa. Seja ela nacional ou estrangeira. Em nome de uma pretensa segurança e do cerceamento crescente as suas liberdades individuais, o povo dos EUA começa a se dar conta do novo Estado Policial que teoricamente endossaram por mais quatro anos.




Antiamericanismo ou resposta às Freedom Fries?

O novo filme do diretor francês Jean-Pierre Jeunet não é suficientemente francês para concorrer a prêmios franceses.

Esta é a decisão do tribunal parisiense contra o longa Dimanche de Fiançailles, novo filme do mesmo diretor do sucesso Amélie Poulain.

A decisão esdrúxula foi baseada no financiamento parcial do filme pela estadunidense Warner Bros, mesmo sendo o filme rodado na França, interpretado por atores franceses e falado no idioma local.

Os produtores do filme criaram uma empresa "francesa" justamente para que a Warner Bros. pudesse ter ajuda financeira do governo, exclusiva para a indústria européia.

A licença para financiamento do governo foi concedida em 2003. Desde então, duas associações francesas de produtores de filmes tentaram bloquear o filme, o que aconteceu recentermente.

Os filmes franceses não são mais franceses. As batatas francesas não são mais francesas.




Enquadrando a ação

Kevin Sites foi o jornalista estadunidense que captou as chocantes imagens da execução de um iraquiano desarmado e ferido numa mesquita de Falluja.

Assim como outros jornalistas credenciados e integrados as tropas invasoras, Sites depende da proteção de fuzileiros como aquele que flagrou cometendo um crime de guerra. Todos os dias ele parte com estes jovens em missões de vida ou morte pelo território hostil a que se reduziu uma das mais antigas civilizações do planeta. A qualquer momento ele pode morrer, em meio a um tiroteio e até mesmo tombar diante de fogo amigo.

É um risco enorme. Portanto, natural que ele se sinta agradecido pela proteção que seus companheiros fuzileiros lhe oferecem.

Não foi uma surpresa quando visitei seu site esta semana e encontrei seu emocionado testemunho. Quase que uma retratação, como o Grande Irmão tanto aprecia.
Que não restem dúvidas: Kevin Sites é um patriota. Guerra é Paz.

Since the shooting in the Mosque, I've been haunted that I have not been able to tell you directly what I saw or explain the process by which the world came to see it as well.




Ucrânia: uma eleição que quase passa desapercebida.

Enquanto o mundo acompanhou a eleição nos EUA, uma outra eleição pode ser bem mais importante para os próximos anos. As manifestações contra o resultado das eleições na Ucrânia são mais significativos do que os protestos separatistas nos EUA.

A Ucrânia é uma ex-república soviética, sua história é repleta de invasões por vários povos. Durante a integração a URSS, o russo foi instituído como idioma local, muitos ucranianos ainda resistem em abandonar o idioma da ex-matriz e ainda há um movimento de retorno, junto com a Bielorússia de integração à Federação Russa.

Enquanto o mundo discutia entre candidatos com embalagens diferentes e conteúdos semelhantes nos EUA, a Ucrânia se viu num processo de disputa entre a União Européia e Moscou.

O primeiro-ministro Viktor Yanukovych, aliado do Kremlin, venceu as eleições sob suspeita de fraude.

As manifestações contrárias aos resultados já leveram milhares de manifestantes, que declaram que seu candidato, Viktor Yushchenko, teria vencido o pleito.

Curiosamente, observadores dos EUA declararam que a eleição não atendeu aos padrões internacionais, os mesmos que se silenciaram diante da relação de fabricantes das máquinas com os candidatos nas eleições em seu país. Os russos garantem que a eleição foi limpa.

Fica claro aqui que não se trata de verificar a veracidade das informações e a credibilidade das eleições. Isto pouco importa. O cidadão e seu suposto voto pouco importam. Interessa, para ambos os lados, a disputa do tabuleiro e a importância estratégica da Ucrânia. Apenas isso.




Os esquecidos




Está em cartaz um filme que lembra a obra-prima de George Orwell. "Os esquecidos" (The Fogotten) de Joseph Ruben.

O filme conta a história de Telly Paretta (Julianne Moore) que tem certeza que seu filho de nove anos, morto num acidente áereo, sempre existiu, ao contrário do que dizem seu marido e psicólogo.

Telly acredita que existe um complô para reescrever o passado, onde até a agências de segurança estariam envolvidas com o propósito de convencê-la de insanidade, enquanto todas as provas de lembranças do filho eram apagadas.

Julia encontra Winston, claro. Ash Correl, bebum inverterado, é um ex-jogador de futebol americano que teria perdido a filha no mesmo acidente. Com a ajuda de Telly, Ash começa a recuperar as lembranças que ainda não tinham ido para o buraco da memória.

A alteração da realidade é o tema do filme até ele se transformar numa ficção científica com a luta entre o bem e o mal.

Trailer do filme (5Mb) em formato Quick Time.




Tenha piedade de nós



Em mais um flagrante da brutalidade da guerra, a emissora estadunidense NBC exibiu, no dia 13 de novembro, as chocantes imagens de um fuzileiro matando à sangue-frio um insurgente iraquiano, desarmado e ferido, refugiado em uma Mesquita de Falluja.

O iraquiano desconhecido fazia parte dos rebeldes que combatem as tropas de invasão estadunidense. O correspondente de guerra Kevin Sites, que testemunhou toda ação, afirmou que a Mesquita era utilizada como refúgio pelos insurgentes. O ataque teria ocorrido neste final de semana, após o avanço das tropas estadunidenses que resultaram na morte de pelo menos 10 iraquianos e na fuga dos demais que se viram encurralados e feridos no templo. O Pentágono, comando das tropas estadunidenses, ainda não se pronunciou sobre o ocorrido.

As imagens de TV divulgadas apresentam o momento exato em que os fuzileiros invadem a Mesquita. Podem ser vistos, além dos cinco feridos, outros iraquianos mortos no chão. Embora o aúdio não esteja perfeito, ouve-se um dos fuzileiros falar: "O FDP tá se fingindo de morto. Ele tá se fingindo de morto." O fuzileiro, então, aponta para cabeça do homem ao chão.

Não há imagens do momento exato do disparo, pois, segundo a agência de notícias Reuters, elas seriam demasiadamente fortes para exibição. Mas será que após tudo que já vimos, seriam elas assim tão perturbadoras?




O doce sabor de pertencer ao Partido

Assunto que vai cair no buraco da memória. Como Arafat conseguiu sua fortuna pessoal? Como Lula pode ser o metalúrgico aposentado mais rico do Brasil? Tanto faz ser de esquerda ou direita, na política o que interessa é a grana, principalmente nos recantos dos megablocos.




Medo e Delírio nos EUA



O site estadunidense www.sorryeverybody.com traz prostestos contra a reeleição de George W. Bush. Nele, centenas de pessoas aparecem com fotos pedindo desculpas a todo o mundo pela vitória do candidato republicano como: "Meu condado votou no outro candidato, peço desculpas pelos outros que optaram pelo medo e violência".




15 anos sem o muro



Há 15 anos era derrubado o muro de Berlim.
Vale a pena conferir o álbum de fotografias de Jürgen Müller-Schneck e ler os artigos do especial Adeus, Lênin do Duplipensar.net.




Os inimigos públicos e as propagandas mal-intencionadas


O satã do cartaz mudou de lado. Ou o inimigo é a Lestásia ou a Eurásia. Todos irão esquecer e os fatos vão para o buraco da memória. 60 anos entre um satã e outro inimigo público que aparece sempre em momentos oportunos. Os perseguidos viraram aliados, os aliados virarão perseguidos. Quem é o inimigo? Quem é você? Nos defendemos tanto e tanto sem saber...




Vergonha na cara, a maior derrota desta eleição

Vota Brasil? Lembrando as eleições vejam dez fatos que dá nojo em votar e vontade de rasgar o título eleitoral (obrigatório).

1) PT se aliando ao PFL e vice-e-versa;
2) Lindberg (aquele mesmo estudante profissional que agora é prefeito de uma cidade que nunca tinha ido) usando as cores de Cesar Maia;
3) O choro lamentável da prefeita paulista, que tal qual um fascilósofo culpou a imprensa por tudo de ruim no mundo;
4) O discurso criminoso de Lula apoiando Marta;
5) Cai a máscara do marketeiro do Maluf e PT Duda Mendonça ao ser pego numa ação marginal (rinha) e seu caso indo parar no buraco da memória;
6) Garotinho se licenciado para promover um continuísmo a 1 real em Campos;
7) O desprezo dos políticos às bases em favor dos interesses, ex.: Luizianne Lins.
8) Propaganda massiva dos governos federais e estaduais com o propósito eleitoreiro.
9) Baixo nível das campanhas; e
10) Baixíssimo nível dos candidatos.

Depois reclamam do sistema eleitoral estadunidense...