A realidade e a fé em Star Wars: história - A Ameaça Fantasma < Fábulas e realidade nas trilogias de Star Wars < Dossiês < Duplipensar.net Português do Brasil  English 
 

 


 


Danilo José Figueiredo - Publicado em 21.10.2003




Publicidade


Depois da derrota dos Sith, ficou claro que algo faltava à Força: equilíbrio. Muitos foram contra o extermínio maciço de uma raça inteira só por que seus governantes eram malignos. Esse descontentamento aliado a visões incertas do futuro deu origem a profecias malucas de que um dia um Jedi viria e traria o tão sonhado equilíbrio para a Força. É neste cenário que se inicia a saga retratada no cinema.

A leitura dos três sub-itens subseqüentes é dispensável àqueles que conheçam bem a série, pois trata-se de um resumo dos dois primeiros filmes e de uma prévia do terceiro.

A ordem na República está abalada pela Federação de Comércio, uma mega corporação comercial responsável pela comercialização de produtos dentro da República. De tão grande e poderosa, a Federação de Comércio chega a parecer um Planeta, tanto que tem representação no Senado Galático.

Pois bem, a Federação de Comércio iniciou um embargo com naves de guerra a um pequeno Planeta chamado Naboo. Esse embargo foi devido ao fato de Naboo se recusar a pagar algumas taxas que considerava abusivas. Apesar da maioria dos Senadores ser contra o embargo, o lobby da Federação fez com que houvesse demora nas votações. Dois Jedi são enviados para resolver o problema: um Mestre, de nome Qui-Gon Jinn e seu Padawan, de nome Obi-Wan Kenobi.

Os Jedi descobrem, no entanto, que há uma clara tentativa de obrigar a Rainha do Planeta a assinar um tratado nos termos da Federação de Comércio. O que é inaceitável, do ponto de vista democrático. A Rainha, então, foge, escoltada pelos dois Jedi, mas sua nave, com problemas de propulsão, é forçada a parar no distante Planeta de Tatooine, onde o Mestre Qui-Gon Jinn encontra um garoto, de nome Anakin Skywalker, um escravo, que ele acredita ser o tão esperado homem que traria equilíbrio à Força. Em meio aos acontecimentos conturbados, os Jedi se encontram com Darth Maul, o aprendiz Sith de Darth Sidious, homem cuja identidade verdadeira é um mistério, mas que parece estar por trás das ações da Federação de Comércio.

Finalmente a delegação chega a Coruscant e cada um toma seu rumo: a Rainha vai ao Senado onde, com a ajuda de Palpatine, Senador por Naboo, tenta, em vão forçar a votação da ilegalidade do bloqueio contra seu Planeta. Enquanto os Jedi vão ao conselho mostrar o garoto que é supostamente o "escolhido".

Fracassando em obter a votação, a Rainha Amidala propõe a cassação do Supremo Chanceler Finis Valorum o que gera uma eleição para a escolha do novo Supremo Chanceler, eleição da qual sai vitorioso o próprio Senador Palpatine, mas a Monarca não está mais disposta a esperar por uma solução diplomática da crise em seu Planeta. Por isso, parte disposta a morrer por seu povo.

No Conselho Jedi Anakin Skywalker é declarado velho demais (apesar de só ter nove anos) para iniciar os treinamentos, mesmo assim, Qui-Gon Jinn diz que fará o garoto observar atentamente seus movimentos para que aprenda alguma coisa.

Todos voltam a Naboo onde ocorre a batalha final entre os exércitos da Federação de Comércio e o dos Gungans (uma raça que foi muito criticada por ser acusada de se tratar de um achincalho com a imagem dos negros da Jamaica). No final, Darth Maul morre, não sem antes, contudo, matar o Mestre de Obi-Wan Kenobi. Este último é sagrado Cavaleiro Jedi e diz que treinará Anakin Skywalker pois este era o último desejo de seu Mestre.

O mistério sobre quem era o Sith de nome Darth Maul fica no ar com sua morte e o Conselho Jedi desconhece a existência de Darth Sidious, que parece ser uma importante figura na política galática.

Voltar para o Especial Fábulas e realidade nas trilogias de Star Wars »


[+] Envie este artigo para um amigo: